seta Universidade Estadual de Montes Claros - MG | Sábado, 17 de novembro de 2018 | relogio 19:12

Montes Claros passa a fazer parte de estudo internacional sobre cidades intermediárias

 

Jean-Claude Bolay com cadeira na Unesco, coordenará o estudo em acordo da Unimontes com a Escola Politécnica da Suíça (fotos: Christiano Jilvan)" class="caption" style="line-height: 16.2px; margin-left: 10px; float: right;" />

- Focada em planos diretores, será a primeira iniciativa a partir do acordo de cooperação da Unimontes com catedrático da Unesco -

O município de Montes Claros será campo de um estudo internacional sobre as cidades consideradas intermediárias – que possuem até 500 mil habitantes. Os trabalhos serão conduzidos pelo professor Jean-Claude Bolay, com o suporte dos professores e alunos do programa de mestrado em Geografia da Universidade Estadual de Montes Claros, e a base de dados estará associada à pesquisa de campo que já acontece com cidades similares em outras partes do mundo, como no México, Argentina, Colômbia, Equador, China, Haiti, Vietnã e em Burkina Faso – dentre outros países em desenvolvimento.

A proposta faz parte de um acordo de intenções entre a Unimontes e a Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça) e que foi apresentada ao público durante a palestra “Planejamento Urbano para as Cidades Intermediárias – Quais Instrumentos para o desenvolvimento sustentável”, que o professor Bolay ministrou na noite dessa quarta-feira (11/5), no auditório do prédio 6, no campus-sede da Unimontes.

Jean-Claude é titular da cadeira de “Tecnologias para o Desenvolvimento” na Unesco, fundo com sede em Paris (França) vinculado à ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura. Em sua abordagem para alunos de cursos de graduação da Unimontes e de outras instituições da cidade, além de mestrandos de várias áreas, o pesquisador fez uma explanação sobre os primeiros estudos realizados por ele em cidades intermediárias na África, Ásia e na América – há 20 anos contínuos.

INTEGRAÇÃO SOCIAL/ESPECIAL

Palestra UnescoEm suma, segundo o pesquisador, os estudos desenvolvidos pela Unesco a partir de seu trabalho pela Escola Politécnica de Lausanne – e parceiros –, focaliza a integração social e espacial destas cidades. A problemática de cada lugar, ainda conforme Bolay, é descrita a partir das interferências antropológicas e/ou geográficas.

“Observamos em linhas gerais que as decisões dos administradores locais sobre o espaço nas cidades analisadas foram técnicas e pragmáticas”, disse. Segundo ele, trata-se de um comportamento comum, principalmente se observar que a produção científica dos centros universitários não é utilizada em planos diretores. Na palestra, ele exibiu os dados das cidades de Jacmel, com 187 mil habitantes, no Haiti (há mais de 40 anos sem ações diretoras) e Koudougou, de 113 mil moradores, em Burkina Faso, que “sobrevive” com investimentos abaixo de US $ 1 milhão por ano e com grande dependência (acima de 50%) de ajudas internacionais.

O estudioso suíço entende que o planejamento urbano precisa ser executado a partir de metodologias flexíveis e não baseado apenas em determinadas disciplinas ou temáticas. “Atualmente, o acesso a softwares e programas científicos sobre planejamento são gratuitos em sua maioria. Um exercício prático de planejamento urbano e de inclusão para todos”, finalizou.

Nesta quinta-feira, juntamente com os alunos e professores do mestrado em Geografia, Jean-Claude Bolay participou de um trabalho de campo em duas áreas urbanas de Montes Claros: Grande Santos Reis, região Noroeste, e o Residencial Sul. O acordo de cooperação científica prevê o desenvolvimento de estudos permanentes pelos próximos três anos entre a Escola Politécnica de Lausanne e a Unimontes.

UnimontesCampus Universitário Professor Darcy Ribeiro - Vila Mauricéia - Montes Claros - MG

Acesso Restrito